O Dobrado e a Banda

human-evolution-manA humanidade, sempre em movimento, criou uma música que traduz esse aspecto inerente a “ação humana sobre o planeta terra”. Assim nasceu a Marcha. Ela ganhou diferentes formatos, mas mantém-se quanto a função: execução de peças por conjunto musical ambulante que conduz a tropa em desfile, ou acompanha o público, em cortejo. No Brasil, por décadas, o Dobrado cumpriu esse aspecto. Evoluiu da Marcha Militar, e no ambiente da sociedade civil foi bem aceito. Em Pernambuco esse ambiente gerou o Frevo na mistura com a capoeira. Estamos abrindo esta página sobre “o Dobrado e a Banda” apresentando o trabalho do Maestro Isaías Ferreira (saxofonista, fagotista, compositor, arranjador, professor, pesquisador). Experiente em Bandas de Música civil e militar, também passou por Bandas e Orquestras Sinfônicas:
maestro-isaias-ferreira 1

– Maestro Isaías Ferreira –

“MARCHA, CORAL E FANTASIA”
Composição do Maestro Isaías Ferreira, peça para Quinteto de Metais constituída de três movimentos. Integra o CD “Música Brasileira para Metais”. O autor apresenta a obra com textos curtos, ajuda a reconhecer conteúdos:

ou acesse isoladamente nos links abaixo:
 .
Marcha (1º movimento) foi composta de acordo com a estrutura ABA’, apresentando dois temas distintos. O primeiro tema, no trompete,  é bastante simples e foi elaborado a partir de duas notas que formam entre si um intervalo de quarta justa aparecendo imediatamente após os oito compassos  da introdução. O segundo tema, apresentado pela trompa e pelo trombone,  busca reproduzir o que no Dobrado tradicional é conhecido como Trio. Ambos os temas, encontrados no Dobrado brasileiro, se espelham na vivência do autor, eu sua adolescência e juventude, quando atuou como instrumentista em Bandas de Música do Recife e do Rio de Janeiro (partitura 1º movimento).
.
O CORAL (2º movimento) busca retratar um cântico religioso. Também apresentado no formato ABA’ esse movimento foi estruturado de modo que o tema da segunda seção pouco contrasta com o  tema principal, apresentando algumas diferenças do ponto de vista harmônico. Busca remeter a um atmosfera devocional, de oração, sugerindo no final um fervoroso Amém (partitura 2º movimento).
.
A FANTASIA (3º movimento) é baseada num tema de Martin Luther, muito conhecido nas igrejas evangélicas tradicionais, cujas primeiras palavras do texto são: “Castelo Forte é nosso Deus”. Inicia com um desenho conhecido nas Bandas e Fanfarras como “cornetada”, que dá lugar, imediatamente, a um fragmento do tema reproduzido pela tuba. Apresenta uma estrutura formal livre onde o tema aparece ora com sua roupagem de origem, sugerindo um coro, ora fragmentado passando por  cada instrumento. Em algumas ocasiões partes do tema são trabalhadas  sugerindo uma “fuga” e no decorrer do movimento entrelaçam-se constantemente este elemento,as “cornetadas” e o tema principal (partitura 3º movimento).
                                                                                               
_____________________________________________________
coreto (1)

“o Dobrado e a Banda”

Com ambiência gerada pela composição do Maestro Isaías Ferreira, esta página é dedicada a relação entre “o Dobrado e a Banda”. Nossa intenção é indicar vários trabalhos, diferentes pesquisadores e perspectivas sobre esse tema. Apresentamos alguns links sobre aspectos do Dobrado. Logo depois alguns elementos sobre a evolução da Banda de Música no Brasil.
_______________________________

“O dobrado e a banda
são elementos interligados”

Segundo o sociólogo Renan Pimenta embora a Banda de Música seja uma manifestação cultural de outros países, no Brasil, enquanto representação da sociedade civil, ela passou a fazer parte da vida de municípios brasileiros. Há cerca de dois séculos se faz presente em todos os acontecimentos.

Em Pernambuco além de exercer esse papel de aglutinar a população em torno da Música democratizando as comemorações para todos ela foi uma das principais formações para divulgação do Frevo.

___________________________________
Conjunto Musical Ambulante

A Banda de Música, como conjunto musical ambulante, tem suas origens na antiguidade.

Egípcios, hebreus, romanos usavam da música em suas festas e a frente de suas corporações militares.

Contudo o formato semelhante ao que temos hoje surgiu com a Revolução Francesa (1789). A música ganhou a rua, chegou ao povo (O Papel das Bandas de Música no Contexto Social, Educacional e Artístico– Renan Pimenta).

__________________________________________

“A banda, naturalmente já serve para o domínio marcial,
desta feita adotando o dobrado,
a marcha militar, e as marchas em geral, do mundo inteiro,
no sentido de influir a tropa.
O som de auto falantes não dá muito certo
porque a tropa se energiza ouvindo ao vivo
e daí o moral cresce, o entusiasmo mais ainda.”
–  Maestro Normando  –

____________________________
“O Dobrado”
– A Nossa Marcha Cívica –
(estrato de texto do pesquisador Rocha Sousa/PI)

Um dos melhores textos que encontramos sobre Dobrado está disponibilizado no blog do pesquisador Maestro Rocha Sousa.

Em “O Dobrado – A Nossa Marcha Cívica” o autor cita mais dois importantes pesquisadores, os musicólogos: Curt Lange e o Maestro Fred Dantas (BA) para fundamentar seu ponto de vista sobre o Dobrado.

O resumo abaixo, em itálico, e marrom, é formado por trechos do texto acima citado aqui utilizado como paradidático. No final desse resumo você encontrará o link específico para o texto na integra. O ponto de partida do pesquisador Maestro Rocha Souza é a definição do que seja Dobrado. O título do texto é bastante sugestivo, remete a atenção do leitor ao teor indicado, segue trechos extraídos:

“O Dobrado – A Nossa Marcha Cívica”
        – fonte: blog e texto do Maestro Rocha Sousa –

Dentro da variedade dos estilos e formas de composições que compõem o repertorio das bandas de música brasileiras, o dobrado – marcha cívica tradicional que tem sua origem ligada à música militar é o que mais identifica as corporações musicais do nosso país. Esta afirmação encontra base nas pesquisas que o musicólogo Curt Lange fez sobre as nossas bandas bem como também em estudos feito por outros pesquisadores que se aventuram neste campo.

  • Marchar: Passo cadenciado de um indivíduo, ou de um corpo de tropas.
  • Marcha: Peça musical que se destina a marcar ou evocar o ritmo cadenciado do passo de uma pessoa, ou de um grupo de pessoas em marcha.
  • Marcha Militar: é uma composição instrumental destinada a marcar o passo de uma tropa em desfile nas solenidades militares ou em um deslocamento qualquer de uma tropa. A marcha militar se baseia num ritmo com marcação repetida e regular acompanhado de tambores e bombos marcados nos tempos fracos de cada compasso com intensidade e vibração e sendo abafando nos tempos fortes; enquanto isso a caixa de guerra mantém o preenchimento do acompanhamento rítmico dos compassos que ainda tem a marcação dos pratos em todos os tempos.
  • Marcha de Passo Dobrado ou “Dobrado” Os dobrados são marchas militares especificas feitas com a finalidade de acompanhar deslocamentos de tropas em desfile. Os títulos destas marchas geralmente são para homenagear pessoas, datas ou lugares.

    O “dobrado“, como estilo de composição com as características que tem hoje, evoluiu da marcha militar tradicional, a fim de atender um maior percurso de deslocamento das tropas sem que tivesse que reiniciar a mesma marcha em um pequeno espaço percorrido. Procurando atender esta necessidade a forma da marcha militar foi alterada com uma dobra no numero de compassos de 16 para 32 compassos dentro de cada parte que compõem a forma tradicional deste tipo de composição.

  • Marcha Fúnebre, com andar lento – Destacamos a marcha da Sonata para piano nº12.op.26 e da 3ª Sinfonia, ambas de Beethoven; também destacamos a célebre marcha de da 1ª Sonata para piano de Chopin.

  • Marcha Nupcial, com andar solene – Destacamos a Marcha Nupcial de “Sonho de uma noite de Verão” de Mendelssohn.

  • Marcha Religiosa para acompanhamento de procissão.

  • Marcha Triunfal para execução em concerto com muito brilhantismo – Como exemplo mais conhecido destacamos a marcha triunfal da ópera “Aida” de Verdi.

  • Marcha de Carnaval gênero da música popular feito exclusivamente para as festividades carnavalescas. Teve seu auge dos anos 20 aos anos 60 do século passado, altura em que começou a ser substituída pelo samba enredo. A marcha “Ó abre alas”, da maestrina Chiquinha Gonzaga, composta em 1899 e inspirada na cadência rítmica dos ranchos e cordões foi a primeira marcha de carnaval brasileira.

    fonte: http://maestrorochasousa.blogspot.com.br/2009/05/o-dobrado-1.html
    n
    este link você tem o texto na integra diretamente no blog do Maestro Rocha Sousa

  • Rocha Sousa (PI) – resumo biográfico I
    http://maestrorochasousa.blogspot.com.br/2010/07/maestro-rocha-sousa.html

____________________________________
DOBRADOS
Veja outros links:

Maestro Joaquim Pereira - fonte. ONordete.comA importância do compositor, arranjador , músico militar, Maestro Joaquim Pereira se faz presente na qualidade de suas músicas. Aqui focamos a atenção em Dobrados:

01Os Flagelados
02Paraíba Moderna
03Academia Militar
04Caiçara
05Capitão Agenor Sales
06Dr. Oldano Pontual
07Tenente Passos
08Subtenente Urias
09Recordações de Afonso
10Ednaldo Bezerra

_________________________________________
DOBRADOS
Veja outros links:

Marcha das Bandeiras
Dobrado Janjão de Joaquim
Dobrado Tenente Degobbi
Dobrado Quatro Tenentes
Dobrado Os Flagelados
Dobrado O Guarani
Dobrado Moraes Sarmento
Dobrado Magnata
Dobrado Dois Corações
Dobrado Comandante Narciso
Dobrado Aço Verde
Dobrado 220 Avante Camaradas
Dobrado 19 de abril

Fonte: https://epxx.co/logbook/entries/musicamilitar.php

_____________________________________________________

Dobrado 182  – Antonio Manoel do Espirito Santo (executado pela BM PMSP)
Dobrado Quatro Tenentes – José Machado dos Santos  (executado pela BM EsSA)
Dobrado Batista de Melo – Manoel Alves (executado pela BM CBDF)
Dobrado Brasil Marcha de Guerra – Thiers Cardoso (executado pela BM CBDF)
Dobrado Cisne Branco – Ant°. Manoel do Espirito Santo (executado pela BCBDF)
Dobrado – Barão do Rio Branco – Francisco Antônio Braga (1940)
Dobrado Capitão Caçula (executado pela BM CBDF)
Dobrado Tenente Degobbi – Marchas e Dobrados do Brasil
Dobrado Araribóia – Anacleto de Medeiros –  (executado pela BM 12 de Março)
Dobrado Estrelas e Listras – Banda Filarmônica São Sebastião
Dobrado  –  1922 (composição de Marcos F.M.) partitura;
Dobrado –   Maestro Merinho (composição Ivan do Espírito Santo);
Dobrado –  Maestro Antônio Pereira do Nascimento (Ivan do Espírito Santo);
Dobrados via Youtube áudio, ouça vários;

______________________________

Secretaria de Cultura do Ceará

1.     Escola de Menores
2.     Monsenhor José Cândido
3.     Cisne Branco
4.     1º Grupo de Aviação Embarcada
5.     Silvino Rodrigues
6.     Capitão Lauro Pimentel
7.     Vinte e Cinco de Dezembro
8.    Manoel Ferreira
9.     Sidiney Rufino
10.  Barão do Rio Branco
11.   Dois Corações
12.   Bombardeio da Bahia
13.   Os Flagelados
14.   Moisés – Camenas Egipcias
15.   Sgt Osório
16.   Corpus Christi
17.   Comando e Subcomando
18.   Rosias Gonçalves
19.   Silvio Romero
20.   Amontada
21.   Ao Ceará Livre
22.   Avante Camaradas
23.   Batista de Melo
24.   Quatro Tenentes
25.   Coronel Cavalcante
26.   4 Dias de Viagem
27.   Sargento Pereira
28.   Fibra de Herói
29.   Brigada Leituga
30.   Cariré
31.   General Manuel Rabelo
32.   Comandante Narciso
33.   Reitor Martins Filho
34.   Dr. Agenor Neto
35.   Dobrado nº 3
36.   João Batista de Vasconcelos – 3º Lugar
37.   O Guarani
38.   Brigada Aristides Borges
39.   Retirada da Laguna
40.   JK
41.   Eco 92
42.   Louvação à Música
43.   José Canção
44.   Saudade de Minha Terra
45.   Nº 1 – Estréia
46.   Inspetor Francisco José do Carmo
47.   Mato Grosso
48.   Sub Oficial Sidney de Almeida e Silva
49.   Dobrado Azul Anil
50.   Araribóia
51.   Verde e Branco
52.   Eterna Saudade
53.   Homenagem
54.   Dobrado Pequenino
55.   Amor de Um Pai
56.   Cidade de Diadema
57.   Dever do Mestre
58.   Dobrado 207
59.   Carioca
60.   Flávio Lopes de Medeiros
61.   Nelson Eduardo Weingrill
62.   Olha a Cadência
63.   Tubas de Papelão
64.   Cap. Heimo André da Silva Guimarães
65.   Pavilhão Brasileiro
66.   Nacionalista
67.   Joarnalista Zair Cansado
68.   Comandante Navarro
69.   Dobrado 182
70.   Sargento Francisco Jardilino Maciel
71.   Aos Meus Alunos
72.   Joilton Moura de Menezes
73.   São Benedito
74.   Dr. Galvão
75.   Êxodo Cearense
76.   Às Margens do Riachuelo
77.   Mestre Chico
78.   Coronel Holanda
79.   Em Fim Vencemos
80.   Maestro Lázaro
81.   Rio Quatrocentão
82.   Inácio Lula da Silva
83.   Ceará Moderno
84.   5º ANIVERSÁRIO
85.   Guibson Marinho
86.   Glória da Minha Terra
87.   Destino do Amor
88.   Mestre Bembem Dantas
89.   Tida
90.   Diadema
91.   Subten Fideles
92.   Capitão Humberto
93.   José Gersino Saraiva Maia
94.   Os Dantas
95.   Recordando Acaraú
96.   Luiz de França Filho (Meu Luca)
97.   Dom Adelino
98.   Os Músicos
99.   Ernesto Galvão
100.           Treze Listra

_________________________________

Secretaria de Cultura do Ceará

1.  A Banda
2.    Emblema Nacional
3. Refrão à Bandeira Nacional
4.    Viva Cruz
5.  Santa Cecília
6.    Bandeira Branca
7.   Pra Frente Brasil
8.    Trombones on Broadway
9. Sousa Espetacular
10.  O Trenzinho do Caipira (em Marcha)
11.  Marcia in Frack
12.  Coroado com Honras
13.  Cantar Para Viver
14.  Anchors Aweigh
15.  Santa Cecília
16.  The Gladiator
17.  The Thunderer

1. Jubileu
Partitura– Full Score– Partes instrumentais

2. Ouro Negro
Partitura– Full Score– Partes instrumentais

3. Os Boêmios
Partitura– Full Score– Partes instrumentais

4. Dois Corações
Partitura– Full Score– Partes instrumentais

5. Testa de Aço
Partitura– Full Score– Partes instrumentais

6. Barão do Rio Branco
Partitura– Full Score– Partes instrumentais

7. Professor Celso Woltzenlogel
Partitura– Full Score– Partes instrumentais

8. Estrela de Friburgo
Partitura– Full Score– Partes instrumentais

Read more:http://www.funarte.gov.br/serie-repertorio-de-ouro-das-bandas-de-musica-do-brasil/#ixzz4JW4Gb8AE

Follow us:funarte on Facebook

______________________________

1. Suíte Nordestina
PartituraFull ScorePartes instrumentais

2. Copacabana
PartituraFull ScorePartes instrumentais

3. Novo Tempo
PartituraFull ScorePartes instrumentais

4. Palpite Infeliz
PartituraFull ScorePartes instrumentais

5. Bebê
PartituraFull ScorePartes instrumentais

6. Folhas Secas
PartituraFull ScorePartes instrumentais

7. Balaio de Lacan
PartituraFull ScorePartes instrumentais

8. Ponteio
PartituraFull ScorePartes instrumentais

9. Quatro Danças Brasileiras
PartituraFull ScorePartes instrumentais

10. Suite Pernambucana de Bolso
PartituraFull ScorePartes instrumentais

Read more:http://www.funarte.gov.br/serie-musica-brasileira-pra-bandas/#ixzz4JW4hVLDP

Follow us:funarte on Facebook

___________________________________________

Capitão Zuzinha (José Lourenço da Silva)

“Zuzinha colaborou na formação, e estruturação,
de várias Bandas Militares,
além de ser
um dos maiores divulgadores da genialidade do frevo.”
………………………… (Maestro Ivan do Espírito Santo)

zuzinha6Nasceu em 10/2/1889, em Catende?PE. Faleceu no dia 26/8/1952, em Recife/PE. Criança ainda, seguiu com os pais para Goiana, Em 1906 aos 17 anos, já escrevia música muito bem e tocava todos os instrumentos, apesar de nunca haver feito cursos. O instrumento de sua predileção, era a flauta que, para ele, não possuía segredos. Ainda em Goiana, pertenceu à famosa banda da cidade, a Saboeira, da qual chegou a ser regente. Em 1916, mudou-se para o Recife, onde ingressou na Polícia Militar de Pernambuco, exercendo a atividade de mestre de banda daquela corporação. Autor de composições que se tornaram populares, como é o caso do dobrado Zé da Guia, compôs músicas que hoje são estudadas e consideradas como de rara força instrumental. Entre as suas composições estão os mais variados gêneros musicais, demonstrando, em todos eles, uma técnica apurada.
(fonte: texto na integra http://www.onordeste.com/)
(fonte: Capitão Zuzinha resumo biográfico Renato Phaelante)
Ouça composições do Capitão Zuzinha

Dobrado – Padre João Barbalho – Capitão Zuzinha;
Dobrado – Zé da Guia  – Capitão Zuzinha  – link  Luis Antonio Rabelo;
Frevo  –  Divisor de águas – Capitão Zuzinha – link;
Marcha de Procissão – São Sebastião – Capitão Zuzinha;

___________________________

(Música no Brasil)

Banda de Musica - charamelaSegundo o pesquisador Renan Pimenta (em seu livro “O Papel das Bandas de Música no contexto Social, Educacional e Artístico”) nos séculos XVII e XVIII tínhamos no Brasil grupos musicais ambulantes usando percussão e charamelas.

O formato Banda de Música, próximo ao que conhecemos hoje, chegou no Brasil com a Família Real (1808). O pesquisador Renan Pimenta (capitulo I) cita que em 1814 os grupamentos militares substituíram os grupos  de “charamelas”.

Por volta de 1860 com a criação do “helicon, depois tuba (por Moritz) e o saxofone (por Adolf Sax)” as Bandas ganharam maior volume e possibilidades harmônicas. No Brasil elas se multiplicaram, passaram a fazer parte da vida cultural da maioria dos municípios brasileiros. Serviam como centros de profissionalização e educação humanista.

 A Banda

Entre 1860 e 1920 a Banda, como instituição cultural, musical e de ensino realizava suas apresentações nos coretos, nas praças, e pelas ruas. Sua candência conduzia o povo executando diferentes Marchas, inserindo um ritmo cultural a vida da cidade do interior (com repertório para o natal, carnaval, são joão, procissões, festas, etc.)

Entre 1920 e 1960 com a influência da programação das rádios o repertório das Bandas foi sofrendo adaptações. Nesse período a Banda ainda era um conjunto musical ambulante. Levava música para rua, trazia as pessoas em verdadeiros cortejos celebrando datas e eventos ligados diretamente as nossas expressões cívicas.

Entre 1970 e os anos 1990 as redes de TV passaram a determinar outro tipo de comportamento. Os coretos, as retretas, pareciam fazer parte do passado. Os costumes mudaram, e o reflexo nas Bandas de Música vem acontecendo paulatinamente.

zuzinha3Como adequar, ou criar, o repertório das Bandas de modo que possam manter diálogo com o público e ao mesmo tempo mantendo sua função enquanto Banda de Música (Filarmônica)? Os coretos foram silenciando, surgiram outras formas e modos de entretenimento. A sociedade deixou de marchar? A Banda foi esquecendo o Dobrado? e outros modos de marcha, também foram esquecidos? assim também foi deixando de passar pelas ruas, esquecendo de colocar o povo em marcha. Não se vê a Banda passar tocando coisas de amor. Cada vez mais a Banda vem tocando em palco, fixa, outra mudança? Será que essa mudança tem relação com a estagnação do Dobrado? Porque ele não se renovou como o frevo, ou o choro? É possível pensar assim? Neste início de século, com o advento da informática, as Bandas passam por um novo período de adaptação. Perderão sua mobilidade por completo? passarão a agregar outros instrumentos? Como manter, aperfeiçoar e criar composições e arranjos?

“até quando
veremos a Banda  passar?”

até quando…
ouviremos dobrados…

até quando…
sua marcha caminhará para o futuro?

até quando…
será perpetuada a tradição
das Bandas Filarmônicas?

________________________________________________
Veja também: